Close

30 de setembro de 2019

Uma ameaça secular

Marcelo Musa Cavallari é escritor, tradutor e jornalista especializado em assuntos internacionais. Traduziu “O Livro da Vida de Santa Teresa D’Ávila”, para a Companhia das Letras e escreveu “Catolicismo”, para a Editora Bella. .

No livro Uma Era Secular, o filósofo Charles Taylor identifica três sentidos da palavra “secular”. O primeiro é o mais comum de separação entre Igreja e Estado consagrado na maioria dos ordenamentos jurídicos em vigor. O segundo é aquele que contempla o fato de que a frequência às igrejas e seus ritos é, hoje, largamente minoritário. O catolicismo pode conviver com ambos, ainda que não sem danos. A invenção do casamento civil, por exemplo, tirou a união entre o homem e a mulher do lugar em que havia sido posta pelo livro do Gênesis e a entregou aos cartórios. Foi só o primeiro passo para o desastre a que se assiste hoje. Os católicos, porém, continuamos a acreditar que o casamento é a união indissolúvel entre um homem e uma mulher. Quanto ao segundo sentido, a validade dos sacramentos não depende de quórum. Não importa quanta gente vá à celebração da eucaristia para que a presença real de Jesus no mundo continue.
Há, porém, um terceiro sentido de “secular”. “Esse se concentraria nas condições de crença, ” escreve Taylor. “A mudança para a secularidade nesse sentido consiste, entre outras coisas, num movimento de uma sociedade em que a crença em Deus não era desafiada e, de fato, não era problemática, para uma em que essa crença é uma opção entre outras. ” Taylor prossegue: “Posso achar inconcebível abandonar minha fé, mas há outras pessoas cujo modo de vida não posso desprezar como depravado, ou cego ou indigno, que não têm fé (ao menos não em Deus, ou no transcendente). A crença em Deus não é mais axiomática. Há alternativas. ”
Essa mudança ameaça o catolicismo por dentro. Quando a crença em Deus passa a ser uma alternativa entre tantas disponíveis aos membros da comunidade que habitamos, é porque essa crença passou a integrar um conjunto logicamente superior que abarca essas alternativas. Se a crença em Deus não é mais axiomática, isto é, se ela não serve mais de fundamento para tudo o que se pensa. Algo tem que ocupar o posto de fundamento para explicar tudo, inclusive, a partir de agora, a crença em Deus. Esse conjunto secular de alternativas de que faz parte a crença em Deus é, para a cultura dominante hoje, o das várias dimensões do ser humano. A crença em Deus seria uma das manifestações possíveis de uma dimensão, digamos, espiritual.

Dessa forma, é possível alguém ser católico e acreditar firmemente que sua alternativa é a melhor ou mesmo a única correta, evitando, assim, o relativismo denunciado pelo papa Bento XVI. Ainda assim, esse católico poderá estar na condição de achar que a sua é a única alternativa correta, mas é uma alternativa, isto é, algo intrinsecamente humano, medido, portanto, pelos mesmos critérios que as demais dimensões da vida humana. Uma vida plena seria aquela vivida numa sociedade justa e honesta, mantida por um trabalho útil, bem-remunerado e satisfatório, com saúde e equilíbrio em todos os papeis a que se é chamado, com a crença em Deus coroando tudo isso.  Ter-se-á perdido de vista, nessa situação, quanto dista da vida neste mundo, por mais perfeita que ela seja, aquilo que a confiança em Deus acarreta. Essa secularização da alternativa cristã tornou opaca a transcendência, única aposta que importa. É quase inadmissível, para um tipo de catolicismo que vai se tornando cada vez mais dominante, a fala de São Paulo, para quem “o viver é Cristo e o morrer é lucro”, escrita há quase dois mil anos em sua epístola aos Filipenses, a ideia ainda ecoava nos versos de Santa Teresa de Ávila, no início da Idade Moderna: “Vivo sem viver em mim/e tão alta vida espero/que morro porque não morro.”

Publicação original: Jornal O São Paulo, edição 3183, 24 a 30 de janeiro de 2018

Veja também: A Igreja diante do ma-estar da sociedade contemporânea      Você tem fome de que? De tempo        Um diálogo necessário  

 

Imagem: Montagem a partir do Cristo de São João da Cruz, de Salvador Dali.

                            

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *